Há um ano, Maricá confirmava o primeiro caso de coronavírus

Maricá vive uma nova fase do combate a covid-19, com mais de 11 mil casos confirmados e taxa de ocupação de leitos variando em 95% a 61,65%. Há um ano atrás, a Secretaria de Saúde confirmava o primeiro caso de coronavírus na cidade.

O homem, de 38 anos, mora em Itaipuaçu mas tinha feito uma viagem no fim de fevereiro a Roma e Milão. Na época, o país ainda se acostumava com a idéia de que precisaríamos mudar praticamente tudo na rotina para tentar vencer o vírus e minimizar os casos de mortes.

Nessa fase, os maricaenses ainda estavam calmos em relação ao vírus pois, não se tratava de contaminação comunitária. No dia 3 de abril, Maricá confirmava a primeira morte por covid-19, o que tornou o assunto mais sério, as pessoas começaram a se cuidar porém, somente em maio, a cidade entrou completamente em isolamento social para conseguir conter os casos da doença na cidade.

No dia 26 de abril, a morte da profissional de saúde Denise Gomes, que trabalhava na linha de frente no combate a covid-19 em Maricá chocou a cidade. Denise trabalhava na UPA de Inoã e era muito conhecida pelo seu amor a profissão e cuidado com os pacientes. A morte da profissional alertou os maricaenses sobre o momento que a cidade estava vivendo.

Em maio foi inaugurado o Hospital Municipal Che Guevara, que se tornou uma das unidades de saúde da região que mais recebe casos de covid-19. O hospital além de ter sido um banho de positividade para os maricaenses em relação a pandemia, foi também um marco no avanço da área da saúde, visto que Maricá nunca teve um hospital com tal estrutura.

Em agosto, Maricá tornou obrigatório o uso de máscara e até começou a multar quem andasse na cidade sem usar o acessório de proteção. Nessa fase, Maricá já aderia a flexibilização das medidas restritivas e bares e restaurantes na podiam abrir.

A cidade se tornou exemplo no combate a covid-19, sendo notícia em diversos jornais internacionais. Programas como PAT, Fomenta Maricá, PAE e o Mumbuca conseguiram ajudar centenas de famílias a ter uma renda mesmo na pandemia. A luta foi em combate ao vírus mas se tornou um combate a fome também.

Após um ano, em uma nova onda já com vacina, Maricá começou um esquema de vacinação contra covid-19 mas aderiu por dez dias, medidas restritivas rigorosas para conter os casos de covid-19. A cidade registra até o momento, 230 casos ativos da doença mas já soma 264 óbitos.

A Prefeitura tem lutado contra o tempo, investindo na compra de vacinas para agilizar o processo de imunização na cidade mas ainda há um longo caminho pela frente. Os cuidados continuam sendo os mesmos e ainda mais intensificados, o uso de máscara é indispensável e o isolamento social voltou a ser exigido em Maricá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.